Algumas referências que me influenciaram bastante (hq/animação/jogos)

A seguir algumas animações, games e hqs que eu curtia quando era mais novo e que acabaram influenciando muito o meu trabalho. Não estou falando só da parte visual, mas  todos os conceitos, humor e estilo  que rodeiam estes personagens.

Tem coisas que estão aí mais pela nostalgia, então para os estrelinhas ou entusiastas da área que vierem falar que as referencias são manjadas ou fracas, um sincero:

Para você,  que como eu,  curte e interage com arte sequencial sem ter que ficar arrotando compulsivamente dicas de referencias fodas, pagação de pau e coisas undergrounds,  seja bem vindo.

Monkey Island  3 – LucasArts – Ron Gilbert (director), Larry Ahern (art director), Maria Bowen (backgrounds)

Taqueopapriu, que cenários magníficos. Que jogão point and click. Quando eu era criança eu tinha muita vontade de estar nesses lugares. A assimetria, as cores, o traço, tudo contribui para um feeling único. Reparem nas nuvens retorcidas, que remetem a uma pintura de Van Gogh, que coisa mais estilosa. Faz mais de 12 anos que estão tentando fazer um jogo novo da série que capte o clima de Monkey Island 3, mas todas as tentativas fracassaram miseravelmente. Eu dou uma dica: PAREM DE TENTAR EM 3D!!!

Os personagens também São sensacionais, simples, bem animados e muito caricatos. Nenhum outro jogo da série captou tão bem o olhar cínico que acompanha o humor estilo Seinfeld do protagonista Guybrush ThreepWood.

Ren & Stimpy  – John Kricfalusi

Essa série animada aqui é o motivo de Bob Esponja não estar na lista. Eles sim são os precursores do humor nonsense, zoom com pintura detalhada para exaltar a nojentice e expressões exageradas. No show deles tudo é mais. Mais porco, mais nojento, mais sem noção, mais irritante. É imperdível. Por onde passava o desenho era proibido e causava polêmica.  Passei muito tempo copiando o traço desses personagens. E vou passar o resto da vida estudando as suas expressões.


Calvin e Hobbes – Bill Waterson


Tudo nesse quadrinho me agrada. O traço é muito bom, bem carregado, as expressões são sensacionais e a história… é demais!!! Calvin é a versão mais interessante e mais ácida do Doug Funny, com toques de O Fantástico mundo de Bob. É o questionamento existencial do Charlie Brown com as viagens do Snoopy.

A transição orgânica entre a rotina chata do garoto de seis anos e o mundo fantástico de detetives, dinossauros, astronautas, clones, monstros sempre acaba bruscamente com um punchline inteligente que o traz de volta para a realidade. Quanto mais você lê mais quer que ele volte para o mundo da imaginação,  aonde o traço do desenhista vai se tornando cada vez mais realista para acompanhar o poder imersivo da mente do garoto.






 

Sam & Max – Steve Purcell  

O velho clichê do Good Cop e o Bad Cop desta vez é revisitado com uma roupagem bem autêntica. O bonzinho e calmo é um cão e o insano é um coelhinho que desce a porrada geral na galera. Acho demais o rosto dos protagonistas, econômicos em linhas e ricos em expressão. O humor negro e nonsense complementa o pacote. Virou jogo e uma animação que eu nunca vi, mas dizem ser menos inspirada.

Qualquer coisa do Jamie Hewlett

Esse cara é foda, caga personagens estilosos. Um estilo entre o mangá e o cartoon, personagens com uma pegada underground, mto bom. Nem vou perder tempo mostrando imagens pq todo mundo ja conhece o trabalho dele.  Tá … só uma imagem

Batman The Animated Series – Bruce Timm

Em um momento muito inspirado da industria de animação, a warner bros resolve colocar esse cara para dirigir uma versão séria, sombria e estilosa do Báteman. O roteiro era ótimo e arrisco a dizer que é melhor que tudo que ja foi produzido do bateman para o cinema (talvez não que o ultimo filme do Coringa). Adoro a sobriedade dos personagens,os traços geométricos, os olhinhos pequenos e as mulheres (todas com a mesma cara).  O estilo visual nfluencia até hoje tudo que é desenho animado de super heróis, mas pena que a essência da série não foi adiante.

       

Swat Kats – Hanna Barbera – Diretores: Frank Andrina, Kunio Shimamura, Allen Wilzbach  

É a coisa mais bobinha que eu vou postar aqui, nem é tão foda, mas era o que tinha de mais radical quando eu tinha 12 anos (não tinha internet,  as crianças nao tomavam surra de bunda em baile funk e desenho japonês era Speed Racer). Uma animação sobre dois gatos que vivem no lixo e constroem um avião massapracaralho e resolvem combater varios viloes em superaventuras radicais. Mais tarde percebi que o nome do avião era turbo cat, mas isso nao chegou a estragar completamente a minha infância. A animação bem dinâmica, influenciada por animês e a guitarreira da abertura roubam a cena. Na época era demaize!

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em variados

4 Respostas para “Algumas referências que me influenciaram bastante (hq/animação/jogos)

  1. ralfa

    Cara, tirando a primeira referência que eu não conheço eu admiro e adoro todos os outros desenhos que você falou..

    Os gráficos e movimentos e características do Batman series sempre me fascinaram.
    Ren & Stimpy, onde começar. Conheci depois de ‘adulta’ e amei por serem deliciosamente vulgares em suas expressões em relação a qualquer outro desenho já produzido.
    Sam e max, roteiro muito bem feito.
    Swat cats, radical!
    Calvin, GÊNIO!!!!!!!!

    Não entendo muito de animação/roteiro não, mas posso dizer de minha humilde opinião que vendo essas referências entendo muito melhor seu trabalho… e se respirares da tinta desses caras e deixeres tomar teu cérebro, serás genial tão quanto !

    :)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s